Estaca Zero

Luis de Matos - Thursday, September 08, 2011 - Comentários (1)

Apesar de hoje me referir ao que há uma década aconteceu em Nova Iorque, o título “Estaca Zero” não deve confundir-se com a expressão “Ground Zero”. Sinónimo de “marco zero”, a expressão “Ground Zero” utiliza-se para descrever o ponto, à superfície da Terra, mais próximo de uma dada detonação. O termo tem sido muitas vezes associado a explosões nucleares e de outras bombas de grande porte, mas é igualmente usado em relação a terramotos, epidemias e outros desastres, marcando o ponto onde os danos são mais graves ou a destruição maior. Inevitavelmente, é hoje, sobretudo, associado ao local anteriormente ocupado pelas torres do World Trade Center em Nova Iorque.

“Estaca Zero” porque, dez anos depois, pouco mudou relativamente à grande maioria dos aspectos e questões levantadas com o sucedido em Nova Iorque naquela terça-feira, dia 11 de Setembro de 2001. A prová-lo estão os inúmeros relatórios produzidos e as centenas de medidas neles sugeridas e que, até hoje, nunca viram a luz do dia.

“Estaca Zero” porque continua a ser possível explodir aviões. Na verdade, a tecnologia usada no fabrico de bombas evolui mais rapidamente do que a tecnologia usada para a sua detecção. Por um lado, os terroristas só têm que fabricar meia dúzia. Por outro, a segurança dos países não pode mudar constantemente os seus sistemas de prevenção.

“Estaca Zero” porque só agora, depois de centenas de milhões de dólares terem sido gastos,  começam a reconstruir-se as torres que substituirão as gémeas anteriores.

“Estaca Zero” porque o mesmo sistema de comunicação que teria permitido que polícias se comunicassem com bombeiros e restantes equipas de emergência, continua a não existir. O governo americano continua a não estar de acordo em disponibilizar uma subsecção do espectro electromagnético que se destine à comunicação via rádio entre todas as equipas envolvidas numa determinada catástrofe.

“Estaca Zero” porque nunca se soube o que realmente aconteceu… As teorias da conspiração relativamente ao 11 de Setembro são das mais elaboradas e documentadas. Todas alegam que os ataques ocorridos a 11 de setembro de 2001 foram autorizados ou mesmo fruto de uma operação clandestina orquestrada por uma organização com elementos dentro do governo dos Estados Unidos. A teoria da conspiração mais proeminente defende que o colapso do World Trade Center terá sido o resultado de uma demolição controlada ao invés de enfraquecimento estrutural devido ao fogo. Outra crença de destaque é a de que o Pentágono terá sido atingido por um míssil lançado por elementos de dentro do governo dos EUA ou que o avião comercial teria essa mesma função planeada. Os motivos citados pelos teóricos da conspiração incluem a necessidade de justificar as invasões do Afeganistão e do Iraque, bem como os interesses geoestratégicos no Médio Oriente.

É por estas e outras razões que, apesar de volvida uma década, estamos ainda na “Estaca Zero”…

“Centenas de milhões de dólares mais tarde, pouco mudou ou sabemos…”

Comentários (1)
cialis pas cher commented on 28-Feb-2013 08:22 AM
explores si soigneusement et depuis si longtemps, cialis ordonnance, elle oscille ensuite sur les bords de cette zone, y de aqui su mayor duracion.precio de la viagra, y que si bien pasa ordinariamente desapercibido, actos genericactos generic, generic lamisillamisil at spray

Deixe um comentário




Captcha Image